BRASÃO


O escudo samnítico, usado para representar o Brasão de Armas de Socorro, foi o primeiro estilo de escudo introduzido em Portugal por influência francesa, herdado pela heráldica* brasileira como evocativo da raça colonizadora e principal formadora da nossa nacionalidade.

A coroa mural que o sobrepõe é o símbolo universal dos brasões de domínio que, sendo de argente (prata) de oito torres – das quais apenas cinco são visíveis em perspectivas no desenho -, classifica a cidade representada na Segunda Grandeza, ou seja, sede da Comarca.

O metal jalde (ouro) do campo do escudo é símbolo heráldico de glória, esplendor, grandeza, riqueza, soberania, carregado de três asnas ou chaveirões de goles (vermelho) constituindo as armarias da família Dorta, homenagem aos fundadores da cidade.

A cor goles (vermelho) simboliza a dedicação, amor pátrio, audácia, intrepidez, coragem e valentia.

A faixa ondada de blau (azul) brocante sobre os chaveirões, lembra no Brasão o Rio do Peixe, que corta a cidade. A cor blau (azul) é símbolo de justiça, nobreza, perseverança, zelo e lealdade e o metal argente (prata) representa paz, trabalho, amizade, prosperidade, pureza e religiosidade.

Em Chefe (parte superior do escudo), o escudete de dextra, carregado de uma flor de Liz de jalde (ouro), é uma homenagem a Nossa Senhora Padroeira da Cidade; no escudete de sinistra o braço viril empunhando uma chave (tudo de argente [prata]) simboliza a hospitalidade do povo de Socorro no gesto amigo de entregar a chave da cidade.

Nos ornamentos exteriores o galho de café e a haste de fumo, tudo ao natural, lembram os principais produtos oriundos da terra dadivosa e fértil, esteios da economia municipal; no listel de goles (vermelho), em letras argentinas (prateadas), o topônimo identificador “Socorro”.

* A heráldica é a arte que estuda a origem e significado dos brasões, e também sua criação e linguagem. Essa linguagem utiliza termos específicos, que não usamos normalmente, e é estrita e rigorosa na descrição do símbolo.


BANDEIRA


A Bandeira Municipal de Socorro, de autoria do heraldista Arcinoé Antônio Peixoto de Faria, da Enciclopédia Municipalista, assim se descreve: “esquartelada em cruz, sendo os quartéis em azuis, constituídos por quatro faixas amarelas, carregadas de sobrefaixas vermelhas, que partem dos vértices de um losango branco central, onde o Brasão de Armas é aplicado”.

O estilo da Bandeira obedece à tradição heráldica portuguesa, da qual herdamos os cânones e regras, com direito a opção pelos estilos.

O Brasão constante na Bandeira simboliza o Governo Municipal e o losango central branco, onde é aplicado o Brasão, representa a própria cidade-sede do município; as faixas que partem desse losango, dividindo o campo da bandeira em quartéis, representam as propriedades rurais existentes no mesmo.

De conformidade com as regras heráldicas, a Bandeira Municipal tem as dimensões oficiais adotadas para a Bandeira Nacional, levando-se em consideração 14 (catorze) módulos de altura da tralha por 20 (vinte) módulos de comprimento de retângulo.